Comunidade Terapêutica
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
REUNIÃO GERAL

Estas reuniões são efectuadas com todos os residentes no intuito de os mesmos se conhecerem entre si.
Os temas a serem debatidos são variados e podem ir desde temas relacionados com a problemática das drogas e recuperação, a ideias para inovações no centro que contribuam para um melhoramento do bem--estar geral, a temas relacionados com arte, cultura, desporto, etc.
A essência destas reuniões é fazer com que o adicto se sinta livre para se expressar.
Não são nunca reuniões de confronto pessoal, são sim, reuniões de aprendizagem, de debate e de enriquecimento cultural.

REUNIÃO DE GRUPO

Estas reuniões são efectuadas em separado com os diferentes grupos de evolução.
Consistem na análise do comportamento individual de cada adicto relativamente ao seu processo de tratamento e evolução.
È nestas reuniões que cada utente fala dos seus medos, erros, dificuldades e onde, naturalmente, deverá aceitar criticas construtivas que o ajudem a superar e evoluir.
Faz-se também uma análise do grupo em geral.
São reuniões de confronto pessoal.

ACTIVIDADES OCUPACIONAIS

O centro dispõe das seguintes actividades:
• Jardinagem
• Artesanato
• Manutenção (reparação de pequenas situações nas instalações do centro)
• Desporto
• Participação ou organização de eventos socioculturais
• Escritório (expediente geral)

As limpezas matinais são efectuadas por todos os residentes, que serão previamente distribuídos pelos monitores pelos vários sectores do centro, criando assim no utente hábitos de higiene e sentido de responsabilidade pelo espaço onde vive.
Após as primeiras limpezas, os utentes iniciam as reuniões programadas para o dia.
As actividades ocupacionais serão iniciadas após o almoço e servem para que o utente desenvolva a sua imaginação, criatividade e a "vontade" interior necessária para a reestruturação da sua personalidade em termos de exigência pessoal, cumprimento de objectivos e horários.

TERAPIA FAMILIAR

A Associação apoia as famílias dos jovens em tratamento. È necessário que tenham conhecimento sobre as drogas e suas consequências, bem como entendam e aprendam a lidar com as alterações verificadas no jovem durante o processo de reabilitação.